terça-feira, 28 de abril de 2009

LET'S START FROM THE MIDDLE

Let's start from the middle.
Let's forget about the end
and get over the beginning.
Let's start from the middle
from 'we know who we are'
and then check how it flows
let's start from 'I want you'
and see where it goes
let's meet and embrace
make wild love at night
and hold hands during the day
let's cut 'I won't write' and 'I don't care'
let's start from the middle
from the very middle -
DARE
when you find me and I find you, let's kiss
and ignore that something might go amiss
just tell me about love and I'll hear
just tell me about fate, my dear
and I'll say let's start from the middle.
From 'you know what I know'
from 'I know I don't know'
from straight and sincere
for life is too short, Ernesto:
there must be a revolution
with no loss and no tears.
Time is our place
of shadows and doubt;
so let's start from the middle
and you'll see what I'm talking about.

LET'S START FROM THE MIDDLE

Let's start from the middle.
Let's forget about the end
and get over the beginning.
Let's start from the middle
from 'we know who we are'
and then check how it flows
let's start from 'I want you'
and see where it goes
let's meet and embrace
make wild love at night
and hold hands during the day
let's cut 'I won't write' and 'I don't care'
let's start from the middle
from the very middle -
DARE
when you find me and I find you, let's kiss
and ignore that something might go amiss
just tell me about love and I'll hear
just tell me about fate, my dear
and I'll say let's start from the middle.
From 'you know what I know'
from 'I know I don't know'
from straight and sincere
for life is too short, Ernesto:
there must be a revolution
with no loss and no tears.
Time is our place
of shadows and doubt;
so let's start from the middle
and you'll see what I'm talking about.

segunda-feira, 27 de abril de 2009

When the music's over, just turn off the lights...

Some used to say that love is like a flower
It's watered = it grows. As simple as that.
Once upon a time, there was this guy who had once been told
that such thing was not true; that love was something blue
which only grew
in the heart of the foolest fools.
He roamed, he thought, he wandered around
and one day he decided to check it out.
He found himself a fine silly girl
and promised her the world
just to throw a seed into her lonely heart
and watch it grow.
She called, she begged, she crawled
and he didn't feel a thing.
Why!, he thought, Billy's the man!
Right and wrong are both dead
There's no cross and no sin...
And for 40 days she sobbed
for 40 days she said I love you
for 40 days that weak plant struggled to survive;
the girl cried, cried and didn't know
how to keep that poor creature alive.
Morning came - one day she woke up
and felt it had died.
So came a prince
carrying buckets and buckets
of the freshest water on Earth
he had been walking for miles and miles
when he saw a fine girl
lying on the ground, still, with the left hand in her heart.
He noticed the dead flower,
and taken by a 'plundering desire',
did not hesitate or think twice:
put it into a vase,
poured the water all over the place
just to see the girl smile.
She smiled indeed
thanked him very much
and knocked on that guy's door
with a vase on her feet.
He saw the freshly watered plant
felt the delicious smell
noticed the greener leaves
of the plant which triumphantly grew
thanks to another gentleman's help.
The guy didn't see what to say:
he just swallowed his pride,
took the girl inside
and started keeping an eye on the plant
every single day.
As for the prince,
he married three with one single kiss
but the water is gone
the evil is done
he has long ago given love away...

When the music's over, just turn off the lights...

Some used to say that love is like a flower
It's watered = it grows. As simple as that.
Once upon a time, there was this guy who had once been told
that such thing was not true; that love was something blue
which only grew
in the heart of the foolest fools.
He roamed, he thought, he wandered around
and one day he decided to check it out.
He found himself a fine silly girl
and promised her the world
just to throw a seed into her lonely heart
and watch it grow.
She called, she begged, she crawled
and he didn't feel a thing.
Why!, he thought, Billy's the man!
Right and wrong are both dead
There's no cross and no sin...
And for 40 days she sobbed
for 40 days she said I love you
for 40 days that weak plant struggled to survive;
the girl cried, cried and didn't know
how to keep that poor creature alive.
Morning came - one day she woke up
and felt it had died.
So came a prince
carrying buckets and buckets
of the freshest water on Earth
he had been walking for miles and miles
when he saw a fine girl
lying on the ground, still, with the left hand in her heart.
He noticed the dead flower,
and taken by a 'plundering desire',
did not hesitate or think twice:
put it into a vase,
poured the water all over the place
just to see the girl smile.
She smiled indeed
thanked him very much
and knocked on that guy's door
with a vase on her feet.
He saw the freshly watered plant
felt the delicious smell
noticed the greener leaves
of the plant which triumphantly grew
thanks to another gentleman's help.
The guy didn't see what to say:
he just swallowed his pride,
took the girl inside
and started keeping an eye on the plant
every single day.
As for the prince,
he married three with one single kiss
but the water is gone
the evil is done
he has long ago given love away...

quarta-feira, 22 de abril de 2009

How come?

I-love-you.

And I just don't know what to do with all this

I just don't know what to do with myself...

I'm a mess

and this time you won't help me get on my feet

I'll have trouble when I try to sleep

and you won't be there to rub your feet against mine

and those magical breakfasts in bed will become a faraway dream

I won't be able to call you when I have a bad day at work

or wake up and see those beautiful blue eyes full of love...

when I listen to our favourite songs and think of you

what am I supposed to do?

...

Why have we come to this?

You've always been my man

I know we were meant to be

So how come

there are so many tears in my eyes

so much pain in my heart

just to think of walking a separate way from yours

I'll stay here, still, silent, pale, blue

trying to understand what happened between me and you

and bear this in mind:

when I do

we shall see the light...

we shall see the light...

we shall see better days, my love

better days

until death do us part...

I-love-you.

How come?

I-love-you.

And I just don't know what to do with all this

I just don't know what to do with myself...

I'm a mess

and this time you won't help me get on my feet

I'll have trouble when I try to sleep

and you won't be there to rub your feet against mine

and those magical breakfasts in bed will become a faraway dream

I won't be able to call you when I have a bad day at work

or wake up and see those beautiful blue eyes full of love...

when I listen to our favourite songs and think of you

what am I supposed to do?

...

Why have we come to this?

You've always been my man

I know we were meant to be

So how come

there are so many tears in my eyes

so much pain in my heart

just to think of walking a separate way from yours

I'll stay here, still, silent, pale, blue

trying to understand what happened between me and you

and bear this in mind:

when I do

we shall see the light...

we shall see the light...

we shall see better days, my love

better days

until death do us part...

I-love-you.

segunda-feira, 20 de abril de 2009

Capítulo 14: Bricklane

Fala, pessoal,

Hoje vou contar um pouco pra vocês sobre um lugar que está no meu coração - e no de Londres também -: Bricklane.

Bricklane é na verdade uma região próxima à Liverpool Street Station, e é um lugar cheio de bares, lojas e pessoas interessantíssimas. Pra começar, logo que a gente sai da Liverpool Street - o que é difícil, porque lá também é um lugar legal demais (e abrindo um parênteses, lembram-se que eu disse a vocês que se vendesse cerveja e rolasse um banheiro nas estações elas seriam o melhor lugar?) - já vê muitos pubs, antigos e novos, e restaurantes bem bacanas. É tipo uma região cool da cidade, e, com isso, não muito barata também em se tratando de entretenimento - mas aliás, o que é em Londres?

A caminho de Bricklane tem uma feirinha aberta num quarteirão meio aberto também, e lá a gente encontra de tudo. O artesanato de Londres é bem criativo, muito moderno e com vários toques que fazem a diferença. Encontrei uma barraquinha que tinha como tema a coruja, e havia praticamente tudo de coruja que vocês imaginarem - copo, talher, roupa, caneta, bolsa, enfeites mil, bem divertido. A gente também acha umas roupas e acessórios bem legais nessas feirinhas, e por um preço bem mais acessível que nas lojas, vale a pena.

Atravessando o mercado mágico, continuamos nossa caminhada e logo logo já estamos na avenida principal de Bricklane. Lá é um bairro meio de indianos, parece, e com isso há mil restaurantes indianos com seu curry cheirando lá fora. Eles contratam um cara que basicamente cata os fregueses na rua e leva pra lá - dá pra imaginar o que parece, né? Mercado Central total, com a diferença que eles geralmente oferecem uma garrafa de vinho ou uma sobremesa grátis pra tentar te convencer a pagar 45 libras num frango picante.

Se você conseguir ignorar tudo isso e for mais adiante, vai ver os bares mais legais de Bricklane: 1001 e Vibe Bar. O 1001 é bem famoso, e o estabelecimento em si tem todo o tipo de comércio: na porta tem uns caras - bem gatos, diga-se de passagem, puro marketing - fritando uns hambúrgueres e umas linguiças, e umas mesinhas pro pessoal sentar e comer; na entrada tem um freezer com bebidas e umas comidinhas mais caseiras, digamos, tipo uns bolos, sanduíches e bagels, uma coisa que passei a adorar depois de sair com o Gordon e minha mana Renatilda; se você sobe a escada, o andar de cima é totalmente diferente, cheio de poufs e sofás - isso eu considerei uma grande sacada lá em Londres: os bares não têm mesa e cadeira, têm sofás enormes com uma mesa no meio e você acaba dividindo a mesa com outras pessoas (será uma estratégia de socialização? Pensando melhor, nem sentando no colo de um inglês pra ele ter a disposição de socializar com vc...), o que acaba sendo tranquilo, além de muito confortável com um dj diferente a cada dia, tocando de Bob Marley a Sex Pistols, e a gente compra as bebidas lá em baixo e fica tomando e ouvindo um som, muito bom; como se já não bastasse, tem uma porta bem grande no meio desse andar, parecendo as portas da esperança, e o mais legal é que quando elas se abrem, é diversão garantida - um galpão enorme, meio underground, com um eletrônico no talo, um balcão e galera pirando! De vez em quando rolam uns shows nessa parte também, e a gente assiste afundado em uma poltrona bem gostosa, dessas super antigas, com uma Red Stripe à mão - é uma cerva jamaicana com percentual de álcool razoável e o melhor preço.

No Vibe Bar tem um balcão com pints, e é um lugar meio doido, parecendo um labirinto. Lá fora tem uma tenda com umas mesas - imagino que deva ser bem agradável no verão, porque quando eu fui não dava pra ficar lá fora por causa da chuva e do frio - e uma escadinha para o bar. A gente passa por um corredor vermelho, e parece que tem vários ambientes, mas fiquei com medo de me perder e só fui ao principal, uma espécie de galpão, bem aberto, também com sofás ao redor das mesas, gostosíssimo... Entenderam agora porque os ingleses adoram um pub? Tem um palco também, e de vez em quando rolam uns shows bem interessantes - assisti a alguns muito legais. Mas atenção: lá fecha mais cedo, acho que até devido ao fato de os últimos trens passarem por volta de meia-noite, o que significa que a gente tem que ir mais cedo também.

Tem um forró no final da rua do 1001, brasileiríssimo, e num lugar grande e super bonito, que deve ser um bar mais arrumado com forró em alguns dias da semana. Quando fui estava até cheio, e dancei com pessoas de uns três países diferentes. Bem, na verdade, tentei ensinar meu amigo ita, dancei com um brasileiro e com um outro que tenho certeza absoluta que era brasileiro, mas insistiu em dizer pra mim que não era - será que ele achou que ia ter mais status dizendo que era de outro lugar? Volta pro mar, samambaia marinha!

Fui a Bricklane com todos os meus amigos - filei as fritas do hambúrguer do meu flatmate Olivier, assisti a um show na poltroninha do 1001 regada a muita Red Stripe com meu amigo da terra do Super Mário, Andrea ("Not now, baby, not now"), comi um bagel com Gordon e Renatilda, fui ao mercado, a um bazar de marcas chiques sensa e a um restaurante indiano com minha amiga inglesa Viola, almocei às 5 da tarde num all you can eat indiano com meu flatmate Bruno - e ainda conseguimos tomar muito vinho e colocar todo mundo pra dançar num bar em frente ao 1001, que pode ser ótimo ou estranhíssimo dependendo do dia -, alucinei na pista com meu querido papito Germano e o portuga Manoel, dancei ao som de várias músicas diferentes no Vibe Bar e fiz a brincadeira dos sem-grana com uma garrafa de vinho de duas libras acompanhada de meu amigo Léo, e fui até a um forró com direito a Elba Ramalho e Dominguinhos no telão, além de visitar uma exposição de arte que dava cervejas para quem fosse assistir, sempre em muitíssimo boa companhia...

Bricklane transformou minha vida londrina em uma experiência incrível, diferente a cada dia, e, por isso, peço que se algum dia forem a Londres, andem pelas ruas de Bricklane, tomem uma Red Stripe, entrem numa exposição de um artista italiano desconhecido, dancem freneticamente como se ninguém estivesse lá - porque ninguém te vê mesmo, trust me -, enfim, curtam bastante esse pedacinho charmoso e aconchegante da cidade que nunca para, do qual nunca se esquece. Ah, e façam uma prece - e um brinde - por mim!

Beijos a todos!

Capítulo 14: Bricklane

Fala, pessoal,

Hoje vou contar um pouco pra vocês sobre um lugar que está no meu coração - e no de Londres também -: Bricklane.

Bricklane é na verdade uma região próxima à Liverpool Street Station, e é um lugar cheio de bares, lojas e pessoas interessantíssimas. Pra começar, logo que a gente sai da Liverpool Street - o que é difícil, porque lá também é um lugar legal demais (e abrindo um parênteses, lembram-se que eu disse a vocês que se vendesse cerveja e rolasse um banheiro nas estações elas seriam o melhor lugar?) - já vê muitos pubs, antigos e novos, e restaurantes bem bacanas. É tipo uma região cool da cidade, e, com isso, não muito barata também em se tratando de entretenimento - mas aliás, o que é em Londres?

A caminho de Bricklane tem uma feirinha aberta num quarteirão meio aberto também, e lá a gente encontra de tudo. O artesanato de Londres é bem criativo, muito moderno e com vários toques que fazem a diferença. Encontrei uma barraquinha que tinha como tema a coruja, e havia praticamente tudo de coruja que vocês imaginarem - copo, talher, roupa, caneta, bolsa, enfeites mil, bem divertido. A gente também acha umas roupas e acessórios bem legais nessas feirinhas, e por um preço bem mais acessível que nas lojas, vale a pena.

Atravessando o mercado mágico, continuamos nossa caminhada e logo logo já estamos na avenida principal de Bricklane. Lá é um bairro meio de indianos, parece, e com isso há mil restaurantes indianos com seu curry cheirando lá fora. Eles contratam um cara que basicamente cata os fregueses na rua e leva pra lá - dá pra imaginar o que parece, né? Mercado Central total, com a diferença que eles geralmente oferecem uma garrafa de vinho ou uma sobremesa grátis pra tentar te convencer a pagar 45 libras num frango picante.

Se você conseguir ignorar tudo isso e for mais adiante, vai ver os bares mais legais de Bricklane: 1001 e Vibe Bar. O 1001 é bem famoso, e o estabelecimento em si tem todo o tipo de comércio: na porta tem uns caras - bem gatos, diga-se de passagem, puro marketing - fritando uns hambúrgueres e umas linguiças, e umas mesinhas pro pessoal sentar e comer; na entrada tem um freezer com bebidas e umas comidinhas mais caseiras, digamos, tipo uns bolos, sanduíches e bagels, uma coisa que passei a adorar depois de sair com o Gordon e minha mana Renatilda; se você sobe a escada, o andar de cima é totalmente diferente, cheio de poufs e sofás - isso eu considerei uma grande sacada lá em Londres: os bares não têm mesa e cadeira, têm sofás enormes com uma mesa no meio e você acaba dividindo a mesa com outras pessoas (será uma estratégia de socialização? Pensando melhor, nem sentando no colo de um inglês pra ele ter a disposição de socializar com vc...), o que acaba sendo tranquilo, além de muito confortável com um dj diferente a cada dia, tocando de Bob Marley a Sex Pistols, e a gente compra as bebidas lá em baixo e fica tomando e ouvindo um som, muito bom; como se já não bastasse, tem uma porta bem grande no meio desse andar, parecendo as portas da esperança, e o mais legal é que quando elas se abrem, é diversão garantida - um galpão enorme, meio underground, com um eletrônico no talo, um balcão e galera pirando! De vez em quando rolam uns shows nessa parte também, e a gente assiste afundado em uma poltrona bem gostosa, dessas super antigas, com uma Red Stripe à mão - é uma cerva jamaicana com percentual de álcool razoável e o melhor preço.

No Vibe Bar tem um balcão com pints, e é um lugar meio doido, parecendo um labirinto. Lá fora tem uma tenda com umas mesas - imagino que deva ser bem agradável no verão, porque quando eu fui não dava pra ficar lá fora por causa da chuva e do frio - e uma escadinha para o bar. A gente passa por um corredor vermelho, e parece que tem vários ambientes, mas fiquei com medo de me perder e só fui ao principal, uma espécie de galpão, bem aberto, também com sofás ao redor das mesas, gostosíssimo... Entenderam agora porque os ingleses adoram um pub? Tem um palco também, e de vez em quando rolam uns shows bem interessantes - assisti a alguns muito legais. Mas atenção: lá fecha mais cedo, acho que até devido ao fato de os últimos trens passarem por volta de meia-noite, o que significa que a gente tem que ir mais cedo também.

Tem um forró no final da rua do 1001, brasileiríssimo, e num lugar grande e super bonito, que deve ser um bar mais arrumado com forró em alguns dias da semana. Quando fui estava até cheio, e dancei com pessoas de uns três países diferentes. Bem, na verdade, tentei ensinar meu amigo ita, dancei com um brasileiro e com um outro que tenho certeza absoluta que era brasileiro, mas insistiu em dizer pra mim que não era - será que ele achou que ia ter mais status dizendo que era de outro lugar? Volta pro mar, samambaia marinha!

Fui a Bricklane com todos os meus amigos - filei as fritas do hambúrguer do meu flatmate Olivier, assisti a um show na poltroninha do 1001 regada a muita Red Stripe com meu amigo da terra do Super Mário, Andrea ("Not now, baby, not now"), comi um bagel com Gordon e Renatilda, fui ao mercado, a um bazar de marcas chiques sensa e a um restaurante indiano com minha amiga inglesa Viola, almocei às 5 da tarde num all you can eat indiano com meu flatmate Bruno - e ainda conseguimos tomar muito vinho e colocar todo mundo pra dançar num bar em frente ao 1001, que pode ser ótimo ou estranhíssimo dependendo do dia -, alucinei na pista com meu querido papito Germano e o portuga Manoel, dancei ao som de várias músicas diferentes no Vibe Bar e fiz a brincadeira dos sem-grana com uma garrafa de vinho de duas libras acompanhada de meu amigo Léo, e fui até a um forró com direito a Elba Ramalho e Dominguinhos no telão, além de visitar uma exposição de arte que dava cervejas para quem fosse assistir, sempre em muitíssimo boa companhia...

Bricklane transformou minha vida londrina em uma experiência incrível, diferente a cada dia, e, por isso, peço que se algum dia forem a Londres, andem pelas ruas de Bricklane, tomem uma Red Stripe, entrem numa exposição de um artista italiano desconhecido, dancem freneticamente como se ninguém estivesse lá - porque ninguém te vê mesmo, trust me -, enfim, curtam bastante esse pedacinho charmoso e aconchegante da cidade que nunca para, do qual nunca se esquece. Ah, e façam uma prece - e um brinde - por mim!

Beijos a todos!

sábado, 4 de abril de 2009

...

I'm crying.
My feet are not on the ground.
I'm suffocating,
I'm choking.
Can't you see I just can't wait?
I'm this emotional rollercoaster
this train which moves so very fast
this truck at full speed
running over things
greating feelings
mincing thoughts
slicing perpectives
chopping tomorrows
frying sorrows
till they become sweet goodbyes
memories I shall boil for ages
in my mind
tears I may never dry
suns that might never shine
songs which I long to sing
after I set us free...
Dreams that will surely change:
I'll love you just the same
or even more -
but by now
I'd rather let you go.
It hurts, it aches,
it moves me in such a way
I can hardly speak.
My legs tremble
I'm so damn weak
that I can only pray
you feel better than me
and I hope when the day comes
we can look at each other
with the same tenderness
the same kindness
the same sweetness
the same happiness
and more wisdom
...
more wisdom...
more time
more life
more love
deep inside.

I LOVE YOU AND I'M LETTING YOU GO.

...

I'm crying.
My feet are not on the ground.
I'm suffocating,
I'm choking.
Can't you see I just can't wait?
I'm this emotional rollercoaster
this train which moves so very fast
this truck at full speed
running over things
greating feelings
mincing thoughts
slicing perpectives
chopping tomorrows
frying sorrows
till they become sweet goodbyes
memories I shall boil for ages
in my mind
tears I may never dry
suns that might never shine
songs which I long to sing
after I set us free...
Dreams that will surely change:
I'll love you just the same
or even more -
but by now
I'd rather let you go.
It hurts, it aches,
it moves me in such a way
I can hardly speak.
My legs tremble
I'm so damn weak
that I can only pray
you feel better than me
and I hope when the day comes
we can look at each other
with the same tenderness
the same kindness
the same sweetness
the same happiness
and more wisdom
...
more wisdom...
more time
more life
more love
deep inside.

I LOVE YOU AND I'M LETTING YOU GO.

quinta-feira, 2 de abril de 2009

Viva

Viva e deixe viver.
Não torne difícil pra mim
o que é fácil pra você.
Não fique zangado
Nem atordoado
Não se entristeça.
Não encha o peito de medo
nem de certeza -
não tenha pressa.
Não se sentir preso
também tem um preço:
o de ficar calado.
Não julgue
e não espere ser julgado.
Pense num limite
se precisar, grite
quando achar resposta
A mesa está posta
você deu as cartas
e me deu as costas.
Viva e deixe viver.
Não torne as coisas
mais difíceis pra mim
ou menos simples pra você.
E quando chegar
a hora marcada,
seremos um
ou não seremos nada.

Viva

Viva e deixe viver.
Não torne difícil pra mim
o que é fácil pra você.
Não fique zangado
Nem atordoado
Não se entristeça.
Não encha o peito de medo
nem de certeza -
não tenha pressa.
Não se sentir preso
também tem um preço:
o de ficar calado.
Não julgue
e não espere ser julgado.
Pense num limite
se precisar, grite
quando achar resposta
A mesa está posta
você deu as cartas
e me deu as costas.
Viva e deixe viver.
Não torne as coisas
mais difíceis pra mim
ou menos simples pra você.
E quando chegar
a hora marcada,
seremos um
ou não seremos nada.